The Ambassador’s policy pointwork

The new Ambassador to the UK faces interesting challenges as Brazil gains more importance on the global scene while the UK plans to toughen up on immigration.

Only three months on the job and Roberto Jaguaribe, the new Brazilian Ambassador in London, is faced with a delicate and important moment.

Delicate because he has to resuscitate the morale of the Brazilian Embassy in London, shaken up after his predecessor, Carlos Augusto R. Santos-Neves’ mandate that, according to his critics, ‘didn’t do much to strengthen the relationship with the UK’ and created a lot of tension inside the Embassy. (In his short time posted in London, Santos-Neves had some friction with embassy employees, and ended up being transferred to Porto – a city of very little diplomatic significance).

The moment is also important because Jaguaribe is dealing with a UK that is now shutting its doors to immigrants, whilst keeping an eye on ways to explore Brazil’s fast expanding markets.

Always keeping an emphatic yet pleasant tone using language taken straight from the diplomat’s manual, Jaguaribe received Jungle at his office in the Embassy, near Hyde Park, to speak to us about this new era and the future relations between Brasil and the UK.

Your Excellency arrived here recently, what are your first impressions?
My impression after being here is that it seems I’ve been here for one week and that I have much to do and much to learn. The duty of an Ambassador has various different facades. The most important is probably to know who the right people are to gain access to at the right moment. This takes time; it’s a complicated process. The truth is that our connection [with the UK] is deep, it’s historic, it’s important and my post transcends the bilateral relationship, it’s much more than this.England, and London in particular, continues to be the global centre for a multiplicity of things that are not necessarily connected with the current government in the UK, but with a traditional history of the formation of the country and it’s ascendancy in the global context. You have London as the financial centre, which clearly has a connection with the government but is in truth independent of it. London is a business centre, a centre of energy and energy issues, a business centre for commodities, an important cultural centre, you have London as a gigantic and relevant academic centre, as possibly the largest media centre in the world, and as an NGO centre. So actually, there are a variety of functions that are not directly connected with the bilateral relationship between Brazil and the UK.

And do you think that enough attention has been dedicated to this on Brazil’s part in the past ten years?
Yes, I think so, I think that all my predecessors have a perfect sense of what all this represents in Brasília. The City [the financial heart of London] for example, and what the City represents in the financial context, especially during the crisis and the important actors that pass through here with who we can or cannot have access to, I think is very clear. London is such an energetic hub that Petrobrás has an important office here.

And the UK wants to have a bigger presence in Brazil, principally because of the economic moment in the country.
I think this is an intelligent observation on the current government’s part. In fact past governments have invested interest in this, but I cannot deny that this observation is relatively obvious and is in line with a pragmatic understanding of the contemporary world, where one sees a surge in new actors that have been the dynamic poles of international economic growth. These countries, China, India and Brazil together with numerous others in development will actually be the promoters of development in the future.

And what happens? First these countries don’t know each other very well, and the central countries [USA, Europe, Japan] possibly haven’t paid them enough attention. England is a country that has always had an imperial tradition or at least for many years it has had this interest and has maintained important networks around the world, and therefore it is not a country that can say it isn’t aware of this reality. But in relation to Latin America, in the end this is the reality. The UK has had a clear understanding of India because of the old British relations, a classic and necessary relationship; with China because of it’s inevitability, but not so much with Latin America, it has been less visible. Now it is more so, and within Latin America, undoubtedly Brazil has always been what we call the most relevant element from the financial and commercial point of view for the UK and again now we see this agenda being taken up, which I think is natural and intelligent.

But at the same time that the UK is keeping an eye on Brazil’s economic growth, the new coalition government wants to impose tighter restrictions on immigration. What is Brazil’s position on this?
Firstly, we must respect the internal sovereign laws of other countries in determining what type of politics they will adopt with immigration. England has generally been an open and liberal country in relation to this. There is an ample tendency across Europe to be much more restrictive. In practically all European countries there is a reaction to immigration which has a strong electoral impact – we see parties gaining political power in Europe whose central mandate is the restriction of immigrants. Normally, they are parties of the extreme right that have other types of agenda built in. Evidently, apart from seeming like politics that much of the time are sorely mistaken, in truth it is the fruit of insufficient information and ignorance, these are national prerogatives and we must respect the decisions that are made. But in reality, I think that you have a point, there will be a decrease in the ease in access for Brazilians, not only students, but also those with work visas.

In this moment, it’s in the UK’s interest to expand relations with Brazil, which has been proclaimed clearly by the government. This indicates more interaction, more influx of people arriving, more contact; above all considering the initial level isn’t huge.

So, naturally, there will be an expansion, including an expansion in business – Brazilian companies are gaining access all over the world. It is clear that such limitations will cause difficulties, and will possibly cause the Brazilian businesses to go elsewhere due to the differing start up options, but this has all been communicated with the British authorities and they will make their decisions according to their own politics. We must respect these decisions, as it is the right of every sovereign State to make them. What is fundamental, independent of the quotas or the access, is that Brazilians are treated with dignity at every stage of coming here. In this, I hear that progress has been made. The bigger the restrictions and the more impeachments that are created, the less the UK will benefit from the softpower that having a good relationship with immigrants can create. Therefore I am not convinced, but this is a problem for the English, not for the Brazilians.

What was the impact of the Brazilian elections on the authorities in the UK?
I think the elections in Brazil are a permanent renewal of internal confidence and international credibility. […] The British do not claim to want to say which side they’re on with an election of this type, and they might not have a preference. My impression is that they don’t have a preference, what they wanted was that it went the way it did, in it’s natural way. It’s clear that everyone appreciates the relevant development that Brazil has achieved in the last while and everybody recognises the fact that President Lula is a man of extremely elevated stature and that he left Brazil in a very positive position and gave a relevant contribution to this process. But I believe that the British expectation was, independent of the result, to know that they could believe in a trustworthy and stable partnership with the future government of Brazil, and they are certain to have this with the elected President Dilma Rousseff.

To round things up, could you please give us an outline of what the next eight years should look like for Brazilian and UK relations?
This is a relationship that is much more than 8 years old; it is centuries old and it has changed and adapted gradually. I think the important part of this until now is to not talk strictly about the relations between Brazil and the UK, but more the great changes that have occurred in our international systems today. Of these changes, the most relevant is the fact that we have different and bigger actors; these countries are in development, they have become relevant actors in the international context without stopping them from being developing countries, which is also different and unheard of. The fact that China is the second biggest economy in the world does not make China a developed country, because it isn’t. China faces the challenges of developing countries. Brazil is the eighth biggest economy, and it’s also a developing country; India as well, but all three are important actors.

This means relations with the UK have overarching benefits. For a long time, the UK’s had global interests and has looked after a full agenda. The relations between the UK and Brazil have always been very important for both sides, but had a tendency to be limited in relation to specific bilateral matters.
For some time now, it is no longer like this, in other words, there is a UK interest to converse with Brazil on global matters, like the environment, climate change, international security, matters that weren’t part of the agenda because Brazil didn’t have sufficient weight for this to be a matter of interest for a dialogue of this nature. Today Brazil has become a much more relevant actor in not only the regional context but global too, so these matters must be incorporated.

Brazil has experienced very significant growth from the economic point of view and therefore the expectations and already a bit of the reality is that the Brazilian economy will surpass the British economy, which is not going to withdraw us from the permanent interest in familiarity and relations with England. But due to this it is interesting to see that there is a relative change in this level and the agenda. It is a rich and complex relationship, which happily has many fluid canals for interaction that are independent of the actions of governments. These are now renewed with this new attention UK is giving Brazil and with this elevated level of participation that Brazil has.

Words by Juliano Zappia
Pictures by Bruno Figueiredo

_____________________________________________________________________

Entrevista em Português

Há apenas três meses no cargo, Roberto Jaguaribe, o novo Embaixor do Brasil em Londres, tem pela frente um momento delicado e importante.

Delicado, pois terá que reerguer o espírito de seu time, abalado após a passagem de Carlos Augusto R. Santos-Neves, que além de deixar um clima de desânimo dentro da própria Embaixada também, segundo vários de seus críticos, “minou o relacionamento com o Reino Unido”. (No pouco tempo no cargo, Santos-Neves chegou a ser processado por funcionários da Embaixada e acabou transferido para ser Consul em Porto, cidade com pouco peso diplomático). E importante, pois irá enfrentar um Reino Unido fechando suas portas para a imigração, mas cada vez mais de olho em maneiras de explorar um mercado em plena expansão como o brasileiro.
Sempre mantendo um tom enfático, mas simpático, com um linguajar tirado de um manual de diplomacia, Jaguaribe recebeu a Jungle em sua sala de despacho na Embaixada, perto do Hyde Park, para falar desse novo momento e do futuro do relacionamento entre Brasil e Reino Unido.

O senhor chegou aqui há pouco tempo, quais as primeiras impressões?
Minha impressão é a de que estou aqui há uma semana, de tanto que há para fazer e aprender. A função de embaixador possui várias facetas diferentes. Provavelmente, a mais importante é saber quem são as pessoas certas e ter acesso à elas nos momentos certos. E tudo isso demora, é um processo complicado. A verdade é que a relação é densa, é antiga, é importante, e o posto transcende a relação bilateral, vai muito além disso.
A Inglaterra, e Londres em particular, continuam sendo um centro mundial para uma multiplicidade de coisas que não são necessariamente conectadas com o governo do momento no Reino Unido, mas com uma história tradicional de formação do próprio país e de sua ascendência no contexto global. Então você tem Londres como centro financeiro, que é claro que tem uma conexão com o governo, mas na verdade é independente disso. Você tem Londres como centro de negócios, como centro de energia e assuntos energéticos, como centro de negociação de comodities, como grande centro cultural, você tem Londres como um gigantesco e relevante centro acadêmico, como centro de mídia, possivelmente o maior, como centro de ONGs. Então, na verdade há uma variedade de funções que não são diretamente conectadas com a relação bilateral entre o Brasil e o Reino Unido.

E o senhor acha que foi dada a devida atenção a isso nos últimos dez anos por parte do Brasil?
Eu acho que sim, que meus predecessores todos têm perfeita noção disso, em Brasília, do que isso representa. A City, por exemplo, o que representa a City no contexto financeiro, sobretudo na crise, e os atores importantes que passam por aqui com quem nós podemos ou não ter maior facilidade de acesso, acho que isso está muito claro. Londres como hub energético, tanto é que a Petrobrás tem um escritório tão importante aqui.

E o Reino Unido está querendo ter uma presença maior no Brasil, principalmente por causa do momento econômico do país.
É, eu acho que isso é uma constatação inteligente por parte do governo atual, na verdade os governos anteriores também já tinham se dado conta disso, mas não posso negar que ela é relativamente óbvia e ela decorre de uma leitura muito pragmática do mundo contemporâneo, aonde você vê o surgimento de novos atores que passam a ser os polos dinâmicos do crescimento internacional. Estes países (China, Índia e Brasil) junto com inúmeros outros em desenvolvimento vão ser os promotores do desenvolvimento do futuro previsível.

E o que acontece? Primeiro, estes países não se conhecem muito bem entre si e mesmo os países cêntricos (EUA, Europa, Japão) talvez não tenham dado a eles tanta atenção. A Inglaterra é um país que sempre teve uma tradição imperial ou pelo menos faz muitos anos que tem esse interesse e manteve redes importantes pelo mundo afora, e portanto não é um país que possa se dizer que desconheça essa realidade. Mas em relação à América Latina isso no fundo acaba sendo verdade. Ela tinha uma noção clara da Índia porque é uma relação antiga britânica uma relação clássica e necessária, da China por sua inevitabilidade, mas a América Latina não, tinha sido menos visível. Agora fica mais, e dentro da América Latina, indubitavelmente o Brasil sempre foi o elemento digamos mais relevante do ponto de vista financeiro e comercial pra o Reino Unido e de novo agora retoma este mesmo patamar, o que eu acho inteligente e natural.

Mas ao mesmo tempo em que o Reino Unido está de olho no crescimento econômico brasileiro, o novo governo de coalition está querendo impor cada vez mais restrições a imigração. Qual é a posição do Brasil sobre isto?
Nós temos, em primeiro lugar, que respeitar as legislações internas de outros países que são soberanos para determinar que tipo de política imigratória eles vão adotar. A Inglaterra tem sido em geral um país aberto e liberal com relação a isso. Há uma tendência muito ampla na Europa inteira a ser bem mais restritiva. Em praticamente todos os países europeus há uma espécie de reação que tem impacto eleitoral e forte – vemos partidos cuja plataforma essencial é de restrição ao imigrante fazendo avanços importantes na política europeia, normalmente são partidos de extrema direita que trazem embutidos outros tipos de agenda, mas evidentemente apesar de parecer uma politica que muitas vezes é equivocada, e que na verdade é fruto de insuficiente informação e ignorância, são prerrogativas nacionais e temos que respeitar as decisões a que elas chegam.
Mas efetivamente eu acho que você tem razão, vai haver uma diminuição das facilidades de acesso para brasileiros, não apenas estudantes, mas também aqueles com visto de trabalho.
No momento em que é do interesse do Reino Unido, proclamado claramente por seu governo, expandir o relacionamento com o Brasil, isso implica uma interação maior, maior fluxo de pessoas vindo, maior contato, sobretudo considerando que o patamar do início não é grande. Então haveria naturalmente uma expansão, inclusive de expansão de negócios, as empresas brasileiras estão saindo pelo mundo. Claro que limitações deste tipo vão dificultar, e possivelmente farão com que elas considerem outros países com relação às opções de instalação, ms isso tudo já foi comunicado às autoridades britânicas e elas próprias devem tomar decisões a respeito de suas próprias políticas.
Nós temos de respeitá-las por serem um direito soberano de cada Estado. O fundamental é que independentemente da cota, do acesso, que os brasileiros sejam tratados com dignidade em todas as etapas que tem vindo aqui. E nisso, os relatos que me chegam é de que tem havido um progresso.

Quanto maior a restrição e maior impedimento for criado, menor será a capacidade de ter força em função deste elemento. Portanto, eu não estou convencido, mas este é um problema para os ingleses e não para os brasileiros.

Qual foi o impacto das eleições no Brasil com as autoridades no Reino Unido?
Eu acho que as eleições no Brasil são uma renovação permanente de confiança interna e de credibilidade internacional. […] Os britânicos não têm pretensão de querer dizer de que lado eles estão numa eleição deste tipo, nem que tem preferência, a minha impressão é inclusive que não têm preferência, o que eles queriam é que corresse como correu, de uma forma natural. É claro que todo mundo aprecia muito o desenvolvimento relevante que o Brasil conquistou nos últimos tempos e todo mundo reconhece o fato de que o presidente Lula é um homem com uma estatura extremamente elevada e reconhecida e que ele deixa o Brasil numa situação muito positiva e que deu uma contribuição relevante para este processo. Mas eu creio que a expectativa britânica era, independentemente do resultado, saber que poderia contar com uma parceria confiável e estável com o futuro governo do Brasil, e eles têm certeza que terão isso com a presidente eleita Dilma Rousseff

Para encerrar, queria que o senhor fizesse um mapa de como devem ser os próximos oito anos de relações entre o Brasil e o Reino Unido.
Este é um relacionamento que tem muito mais do que isso, é um relacionamento de séculos, que vem mudando e se adaptando gradualmente. Acho que o elemento mais importante até o presente não diz respeito estritamente à relação entre o Brasil e o Reino Unido, mas a grandes mudanças que ocorrem no sistema internacional hoje. Entre elas, a mais relevante é o fato de se ter o número de atores diferentes e maior: os países em desenvolvimento, que passaram a ser atores relevantes no contexto internacional sem deixar de serem países em desenvolvimento, o que é também diferente e inédito. O fato de a China ser a segunda maior economia do mundo não faz a China ser um país desenvolvido, porque não é; a China tem os desafios dos países em desenvolvimento. O Brasil que é a oitava, também é um país em desenvolvimento, e a Índia também, mas são todos atores importantes.
Isso faz com que uma relação com o Reino Unido ganhe em espaços horizontais. Há muito tempo o Reino Unido tem intereses globais e que cuida de uma agenda muito ampla.  A relação do Reino Unido com o Brasil sempre foi importante para os dois lados, mas tendia a ser mais limitada a assuntos bilaterais específicos. De algum tempo para cá não é mais assim, ou seja, há um interesse do Reino Unido em conversar com o Brasil sobre temas globais, como meio-ambiente, mudança de clima, segurança internacional, coisas que não faziam parte da pauta porque o Brasil não tinha peso específico suficiente para que isso fosse objeto de interesse para um diálogo deste natureza. Hoje o Brasil tornou-se um ator mais relevante no contexto não apenas regional, mas também global, então este tipo de elemento também se incorpora. O Brasil cresceu de uma forma muito significativa do ponto de vista econômico e portanto, a expectativa e já um pouco a realidade é que a economia brasleira supere a economia britânica, o que não vai retirar de nós o interesse permanente  pelo convívio e relação com a Inglaterra. Mas é interessante ver então que há uma mudança de patamar relativo e também de pauta. É uma relação rica, complexa, que felizmente tem muitos canais fluidos de interface que independem da ação dos governos, mas que agora se renova com essa nova atenção que o Reino Unido dá ao Brasil e com esse patamar mais elevado de participação que o Brasil tenha.

By Juliano Zappia
Images by Bruno Figueiredo

One Comment

  1. What’s up friends, how is all, and what you would like to say about this article, in my
    view its really awesome for me.

Leave a Reply