A soulful chat with Seu Jorge

In an exclusive interview with Jungle, Jorge talks frankly about politics, music and the revolution that’s expected from Brazil

n.b. for the full interview in Portuguese simply scroll down to the end of this article. Enjoy!

“Pretty swanky!” jokes Seu Jorge when I tell him that he’ll feature on month’s JungleDrums cover not once, but twice. Live via Skype, one of his favourite forms of communication, from his home in São Paulo, the City of God actor spoke about his latest tour, which brings him back to London with Almaz, a covers project incorporating members of Nação Zumbi, one of the most important Brasilian bands of the 90s.

Jorge made the most of our chat, holding forth in his scattergun style about politics, education and economic growth, firing off round after round of facts and fierce opinions. An avid reader, Jorge called upon authors, statistics, research and, inspired by Brasil’s presidential elections, even proposed a foray into politics. “If I stood, I’m sure I’d win!” he joked, although he might be right. But first, a breather in the USA. Inspired by a recent tour through North America, Jorge says he’s planning a move to LA to give his daughters what he never had: a good education.

During a chat that lasted over an hour, Jorge smoked a couple of cigarettes (plus a little something else), took off his shirt, opened the door to let in bandmate Pupillo, spoke about his childhood, and claimed to be ready for his return to the Roundhouse. “I know I’m gonna put the English to shame with this gig. I’ll show Oasis how it’s done!”.

It’s been a while since you have visited Europe. Does the idea of returning appeal to you?
It does, I’m excited to return, I think  that the new project with Almaz will really relate to the public in Europe and I hope people understand that this doesn’t represent a change in the sound of my music, but a way of expressing myself differently.

But does that confusion worry you, or does it drive you?
It worries me and at the same time drives me. It worries me because I saw that in the US now, the public over there see me as being an icon of Brasilian music, but an icon that’s not very typical outside of Brasil. How can I explain this to you? We know that Brasilian music has always been respected throughout the world. But there is a generation, today’s generation, that doesn’t have the same musical reference points; they don’t know about Chico (Buarque), Tom Jobim, Vinícius de Moraes, João Gilberto. This is mainly the case in the US; in Europe it’s a little different because the proximity of the family allows this kind of exchange of information.

I’m aware that in France for example, it’s more likely for a son to listen to music with his parents than in the US. It’s because when they reach 17 they leave home, and just return to visit. So I discovered that when the American public in that age group talk about Brasil, they only know Seu Jorge.

Does that create pressure?
In a certain way, the world truly expects some kind of change to come from Brasil, a musical transformation, something new. This isn’t expected of France or England; nothing new is expected from their music. You don’t expect a musical revolution from Italy, but from Brasil everyone expects one.

From Africa, everyone expects one. These are countries that live to express themselves through music. So I think that the opportunity that I have, to demonstrate a Brasilian style sound through Nação Zumbi (one of the most important bands of the 90s in Brasil, that also forms the rest of Almaz), is very important because it’s a moment in the history of Brasilian music that never got told. I believe that Nação was the most important thing to emerge in the last 20 years. It unveiled the state of Pernambuco, which we know Alceu Valença never achieved; I don’t even think Lenine attained that visibility, of shining a spotlight on the region like Nação Zumbi did.

But Almaz wasn’t a conscious decision, was it? It wasn’t a case of ‘lets uncover this’ – the project was more a result of friendship, wasn’t it?
And it was a surprise…It was a bit of fun, really. The three of them (Antonio Pinto, Lúcio and Pupillo) were making the soundtrack to Walter Salles’ last film, Linha de Passe, they asked me to sing one of the songs, and so I made the most of the fact that I wasn’t doing anything that week, and I said man, I can come by at the end of your shift, you guys finish up, I’ll bring a six pack of beers and we’ll just record something. We chose some tunes that we liked and just playing around started recording them. I had a strong desire to do something with these guys.

We realised a week later that we had made 18 tracks. From there I called up Mario Caldato (the producer) and I said, let’s record them! It just took a while for the album to come out and for us to go on tour because I had a commitment with America (Jorge’s fourth album) during the same period.

Outside of Brasil, your best selling album is The Life Aquatic, which covers David Bowie tracks and makes explicit your relationship with cinema. It seems that your music remains somewhat divided between the Brasilian Seu Jorge and the Seu Jorge portrayed to the rest of the world, do you agree?
I don’t know… I don’t think that the album from Almaz can be classified as a type of product for exportation, principally because of its sound and repertoire. As it deals with songs that aren’t originals, sometimes they end up very much taking on their own personality, or there are tracks like “Pai João” which is from Tribo Massahi, a band who nobody has heard of, like “Girl you move me”, and so on. But even in the most well known tracks we managed to add our own very unique, Brasilian element. What is most recognised by the public is my voice, and not the rest. Nobody recognises Lucio on the guitar, Pupilo on the drums and Antonio on bass. Those are the elements that people are going to discover.

Do you feel pressure as one of the only Brasilian artists who really made it abroad?
No, it gives me great flexibility, I’m aware that there are many opportunities abroad to discuss Brasilian issues, to speak, and to converse, to promote this new moment that Brasil is enjoying. What I regret is that Brasil hasn’t managed to organise itself to explore this in more depth. At the same time I feel that Brasil has very little demand for information on what happens outside the country. The world wants to know about Brasil, what possibilities there are there, what could be promoted. For example, companies from America, and the rest of the world, with parent companies in their own country, and their affiliates in Brasil, which in these last two years made absurd financial losses, see Brasil as a strategic country who can recover their losses, on account of the increasing activity of the internal market due to the methods taken by the Central Bank and the Ministry of Finance; tax reduction; credit incentives; and this created a new class, a class C; the new middle class that has completely different standards to the extinct traditional middle class.

And do you feel a transformation manifesting itself within Brasilian culture?
I don’t see art participating in Brasil’s transformation, no. When it comes to music, theatre, cinema, art and such, I don’t think everybody’s switched on to it. What doesn’t exist, and as far as I know never existed, is art originating from The Federal Government, The Ministry of Culture; Brasil doesn’t have the money for that. So all the art that comes from Brasil, or even all the entertainment – two very strong cultural movements – you don’t get all that in Brasil without violence, without being left behind. In the US it’s different. Take Koby Bryant for example, one of the best players in the NBA, he wouldn’t be who he is today if he hadn’t achieved marks of 10 in chemistry, geography and mathematics, because sport is linked to education in the US. Art too, in a certain manner. On our trip this time to the US with my daughters for example, they went to a summer camp over there and they were shocked by the fact that all, ALL, of the kids played piano. And they are seven years old. She came back asking: “Dad, everyone plays piano except me!” And that’s because it’s ingrained in the education. In Brasil that doesn’t exist, it’s all private. In Brasil, football belongs to Lubrax, and Parmalat. The theatre has to have sponsorship; it needs support of 15 companies to go ahead, and music does too.

But things are changing, the Ministry of Culture is proposing that music be taught as part of the curriculum in schools…
It’s a proposal, but it has not been very well publicised. Every time that an artistic movement is linked to education, it will be great for where there are no opportunities in our country, but it is rare. If a boy has the opportunity to make music in school, that’s valuable. When I was a boy myself, I wanted to learn to play an instrument, but there was no music in my school. They gave classes in religious education, but there were no music lessons. And it was a private school!

Where did you study, Jorge?
At the ABEU, the Brasilian Association for University Instruction, in Belford Roxo, a chain of private schools. My mother managed to get four scholarships for us. Do you know how she managed it? She exchanged her vote for the scholarships! There was no other way; skint, illiterate and wanting to send her children to school, the guy offered an exchange for her vote, and she accepted, obviously. Today I can say that it was a good deal, but at the time it wasn’t. For a start we were the only black kids in the school, and we weren’t prepared to study; we didn’t have exercise books, or uniform, we didn’t even have the money to take a photo to put in the scrap book, you know? So it was pretty bad, the other kids used to taunt us and make fun of us. At that time there wasn’t much tolerance for those who were black, there was no law that defended us…

How old were you? Do you have a good memory of that period?
When I started at that school I was 10. I remember it well. It was an important stage in my life, as it was the first time that I fell in love, because when we are kids and we fall in love, we never forget. It was with a girl from class, and it was intense. And there was also the issue of my situation; I was not physically strong, I didn’t have an adequate diet, and I wasn’t managing to keep up with the school, because the teaching was exhausting, and I wasn’t well nourished. And then we lost half of the scholarship, and my mother worked as a cleaner in the school to try to pay, but it wasn’t enough, so my brothers and I didn’t study for two years, and I worked as a tire repair man. Now, my daughter is seven, and her childhood consists of her little friends and her school; I try to give her everything I can, as in my youth I was selling chewing gum at the traffic lights.

To have lived through that and to know the other side of it – does it give you a desire to get involved in politics, in NGOs, in something that can cause social change?
Look, I’m going to say that the situation in Brasil with its absence of opportunity makes me uncomfortable. And so, I would like to specialise in a technical area, in order to contribute with ideas, with proposals, with projects. I am truly concerned with Brasil and I think that political innovation is fundamental. I would like to see young blood, people available, youth interested in Brasil’s profits. Brasil seems to have been on the receiving end of prejudice its entire life, and now for the first time it is ready to receive profit! For many years there has been an expectation in Brasil.

So we can expect Seu Jorge to be more active in that area?
I’m a little bit older, I’ve got thicker skin, I’m going to create a stir. What I can’t tolerate, man, is the candidature of Tiririca (the clown who won the most votes in Brasil as federal deputy), of Romário (an ex-footballer), of Mulher Melancia (a pin-up), do you know what I mean? That’s just absurd. It gives me the desire to go up there and say, ‘I’m going to give it a go!’, it stands to reason! And if I were a candidate, I would win! But in all seriousness… I don’t want to have my vote vetoed. I want my vote to count. It doesn’t help matters for me to arrive and to have the voters paying my salary, me causing problems with everyone and living in a rotten environment that I never saw before. But I still have the desire to pester, to cause a fuss, to stir up the crowd and all that. But can I say that if one day I should become involved in that, I would lose my ingenuity. I can be romantic about the history of Brasil. As a musician, I have a romantic idea of Brasil to preserve. As a politician, I don’t know if I would keep that. I don’t know if I would manage to preserve ideology. In the case of Gilberto Gil it was different; he already had experience as a politician.

This phase of Brasil is also reflected in the musical circuit, everyone is touring in Brasil!
Now, Brasil is essential territory. The world is capitalising here, my dear. I would say that the private and the principal investment of this new phase is due to the consumption of the internal market. The music consumer isn’t simply a consumer of hats, shirts, DVDs and CDs, he goes for the toilet paper, the tampons, the nail varnish, the shampoo, he consumes everything. And everyone is aware of this, everyone wants a piece of Brasil. Be it Jay-Z, be it Beyonce, be it Lady Gaga or be it Seu Jorge, it doesn’t matter, be it Ivete Sangalo, it doesn’t matter who. And Brasil is the foundation for this, the money runs freely. There is a mobilisation, and people are in need of this, they are in need of music, in need of a hero, right? A hero. We have this sense of; “Damn I want to see Lady Gaga, that hot woman, that woman that bleeds, she rips up everything; I want to see that”. But not the ‘gringo’; today there is a Lady Gaga concert and they say: ‘ah, I’m not going, I’m going to buy a bottle of juice and I’m going to read my book, and it’s all good.’ They will read the book, keeping to themselves on a Friday; the gringo doesn’t have that carnal need, that chemical dependence on going out on a Friday or Saturday because you earn so little in this damn country, you’re not able to have anything, you’re not able to buy anything, you don’t have access to consuming, and so what’s left is entertainment; distracting yourself, having a beer, having a flirt, and music is the principal investment of this manifestation.

And you are really going to leave all this to go and live in Los Angeles?
That’s right, the whole family. We want to stay there a while… It’s more because of the children really, the boys love the weather there now, and the education is really something else. And if I don’t do this now when the oldest is seven, when will I? 10 years from now when she is 17? Then they aren’t going to want to go. I have the opportunity now, the opportunity to work, a lot of people contacting me too; those two weeks that I spent there I worked a lot, I made two video clips, I recorded with Beck, I’m doing a new album with Mario Caldato Jr.

And cinema, how’s that going?
Man, making Elite Squad 2 was incredible! We filmed it during the four days of carnival; the best four days of carnival of my life! No mess, we spent the entire time on the set four days straight. I made a comedy with Selton Mello, Rodrigo Santaro and Otavio Miller called Reis e Ratos (Kings and Rats), under the direction of Mauro Lima who made Meu nome não é Johnny. It’s a comedy in black and white, a period comedy, and it’s damn funny. I’m involved in a project with Vicent Cassel as well, things are happening.

Tell us how it was to play with Ivete Sangalo at Madison Square Garden?
It was amazing, almost 16 thousand people at the world’s temple of basketball and rock. To see Ivete Sangalo get 16 thousand people inside there, and to have the bleachers literally trembling, so much so that I could feel it from the dressing room, it was incredible. Ivete has serviced Brasilian music in a way that I think no one had managed to do until now, because it’s the music of the people, music for the masses. And she had a great attitude during the production. She recorded the DVD with an all American technical team, of very high standard. She was at an all time high in terms of happiness. That week 2,500 people travelled from Brasil to see her show. The American press asked themselves: Who is this girl? Is Brasil behind this? To have so many people come here just to see the show, with a ticket, money in their pockets, a hotel to stay in, everything organised, visa prearranged… It’s a shock, the demonstration of independence. It was a very important part of the process.

It is interesting to think that this could be rather symbolic of the new phase of Brasil, do you agree Jorge?
Completely! The contract that she made with TAM (the airline company that sponsored the event) rightly made it so that the expatriates that lived in Houston, in the middle of nowhere, in Austin, in San Francisco, could travel with Star Alliance for a good price, and so the event was a sell out.

It moved the economy along…
Exactly, that’s what we are talking about, this is Brasil’s big moment, and how the people of Brasil respond to the call. It’s the proof that it’s the music of the people that’s boss, you know? I think that if it was in China, nobody would go to see that chick there.

In a certain way, Almaz doesn’t seem aimed at the Brasilian people; it’s certainly something very different; a conceptual project as such, and I see that you have the desire for this business with the people and representing them. Do you think that your next project will be more focused on this?
You have to listen to “Doida”, it’s already ready.

Doida?
Ah I’m going to send it to you, hang on!

[Jorge sends an MP3 over Skype, and after hardly more than a minute of listening, it’s obvious that the Jorge from ‘Carolina’ is all over it.]

I knew that you had something up your sleeve.
You’ll see, you are going to enjoy it; this is the popular side of my music. I can’t deny that, man! This is what I am; I’m a black guy, from the suburbs, from the slums of Rio de Janeiro. How can I deny that? I can’t.

“Classe média alta!”, brinca Seu Jorge quando falo que essa edição da JungleDrums não terá apenas ele na capa, mas sim “ele, duas vezes”. Direto de sua casa em São Paulo, via Skype, um de seus meios de comunicação preferidos, o ator de Cidade de Deus falou sobre a nova turnê que traz a Londres na forma de Almaz, projeto de covers com integrantes do Nação Zumbi, uma das bandas mais importantes da música brasileira dos anos 90. Jorge aproveitou o papo e, como uma metralhadora, discursou sobre política, crescimento econômico e educação, citando fatos e disparando opiniões fortes. Leitor ávido, Jorge quota números, autores, pesquisas e, inspirado pelas eleições no Brasil, até arrisca uma entrada na política. “Se eu me canditadar, tenho certeza que ganho!”, disse em tom de brincadeira que aos poucos pode começar a se transformar em realidade.

Mas antes disso, uma pausa nos EUA. Inspirado pela recenter turnê, Jorge disse estar de mudança para Los Angeles, onde quer dar as filhas o que não teve: boa educação. Durante o papo de mais de uma hora, Jorge fumou dois cigarros (além de um outro que não parecia bem um cigarro), tirou a camisa, abriu a porta para o parcerio Pupillo entrar no quarto, falou da infância e disse estar preparado pra voltar pra Roundhouse: “Sei que eu vou matar os ingleses de inveja com esse show, o Oasis vai se rasgar todo!”

By Juliano Zappia
.

____________________________________________________________

And now, the moment you’ve all been waiting for. Jungle had such fun chatting to Seu Jorge that we wanted to share the full interview with our readers, in Portuguese. n.b. Apologies for any swear words.

Faz tempo que a Europa não recebe uma visita sua, tá com vontade de vir pra cá?
Tô, tô animado pra ir sim, eu acho que esse trabalho novo com o Almaz tem bem a ver com o público europeu e espero que as pessoas entendam que esse lance não é uma mudança no meu som, mas sim uma forma de eu me expressar diferente.

Mas essa confusão, te preocupa ou te instiga?
Me preocupa ao mesmo tempo em que me instiga. Me preocupa porque eu vi nos Estados Unidos agora que o público lá vê em mim um ícone da música brasileira, mas um ícone que não é muito normal fora do Brasil. Como é que eu vou te explicar isso? A gente sabe que a música brasileira sempre foi muito respeitada no mundo inteiro. Mas existe uma geração, essa geração de agora, que não tem muito as referências, não sabem de Chico (Buarque), Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto. Isso principalmente nos EUA, na Europa é um pouco diferente, porque o convívio familiar permite esse tipo de troca de informação. Eu percebo que na Franca, por exemplo, e mais fácil eu ver um filho ouvir musica com o pai e com a mãe do que nos Estados Unidos. Até mesmo porque quando ele faz 17 anos ele sai de casa pra não voltar mais, pra voltar só como visita. Então eu descobri que o publico americano dessa faixa de idade, quando se fala em Brasil, eles até conhecem o Seu Jorge.

E isso gera uma cobrança?
De certa forma, o mundo espera mesmo é do Brasil alguma mudança, alguma transformação em música, alguma coisa nova. Ele não espera isso da França ou da Inglaterra nada de novo na música. Você não espera da Itália uma revolução musical, mas do Brasil todo mundo espera. Da África, todo mundo espera. São países que vivem de se expressar através da musica. Então, eu vejo que a oportunidade que eu tenho de mostrar uma sonoridade brasileira através da Nação Zumbi (uma das bandas mais importantes dos anos 90 no Brasil, e quem forma o resto do Almaz), é muito importante porque é um momento da história que não contaram da música brasileira. Na minha concepção, a Nação foi a coisa mais importante que surgiu nos últimos 20 anos. Revelou um estado (Pernambuco) que a gente sabe que Alceu Valença não conseguiu, acho que nem Lenine conseguiu a visibilidade, dar uma luz praquele lugar como a Nação Zumbi deu.

Mas não foi uma coisa consciente o Almaz, né? Não foi um caso de ‘vamos resgatar isso’, isso foi uma coisa de amizade, esse projeto, né?
É, foi uma surpresa… Foi uma brincadeira, na real. Os três (Antonio Pinto, o Lúcio e o Pupillo) estavam fazendo a trilha sonora do último filme de Walter Salles, Linha de Passe, eles me chamaram pra cantar uma música e aí eu aproveitei que tava de bobeira aquela semana e falei porra, eu posso passar aqui depois do seu expediente, vocês terminam aí, eu trago uma meia dúzia de cervejas e a gente vai gravando umas coisas. Escolhemos umas músicas que a gente gostava e meio que de brincadeira fomos gravando. O meu desejo de fazer alguma coisa com esses caras era muito grande. Quando a gente reparou, uma semana depois, a gente já tinha 18 musicas. Aí eu liguei pro Mario Caldato (produtor) e falei, vamos gravar! Só demorou pra sair o álbum e entrar em turnê porque na mesma época eu tinha o compromisso com o America (quarto álbum de Jorge)

Fora do Brasil, seu álbum que mais vendeu foi o The Life Aquatic, que tem as covers do David Bowie e deixa bem explicita a sua relação com o cinema. Parece que fica uma coisa meio dividida: o Seu Jorge brasileiro e o Seu Jorge para exportação, não?
Eu não sei… Eu acho que o álbum do Almaz não pode ser classificado como um típico produto de exportação, principalmente pela sonoridade e repertorio. Como se trata de musicas que não são originais, algumas vezes elas acabam tomando uma personalidade muito própria ou são canções como “Pai João” que é de Tribo Massahi, que ninguém sabe que banda é essa, como “Girl you Move Me”, e assim por diante. Mas mesmo nas mais conhecidas conseguimos trazer uma impressão nossa, brasileira, muito única. O que é mais conhecido desse publico e a minha voz, o resto não. Ninguém conhece a guitarra do Lucio, a bateria do Pupillo e o baixo do Antonio. São coisas que as pessoas vão descobrir.

Você sente pressão por ser um dos únicos artistas brasileiros que conseguem chegar na casa do estrangeiro, mesmo?
Não, isso me dá muita flexibilidade, eu percebo que tem muita abertura fora pra discutir os assuntos (brasileiros), pra falar, pra conversar, pra promover esse novo momento que o Brasil tá passando. O que eu lamento é que o Brasil não consegue se organizar pra explorar melhor isso. Ao mesmo tempo, eu sinto que o Brasil tem muito pouca demanda de informação sobre o que acontece fora daqui. O mundo quer saber do Brasil, que possibilidades ele tem de estar aqui dentro, o que ele pode promover. Por exemplo, empresas americanas e do mundo inteiro que tem matrizes em seus países e filiais no Brasil, que nesses últimos dois anos tiveram perdas absurdas financeiras, veem o Brasil como um país estratégico pra recuperar essas perdas, por conta do aquecimento do mercado interno em função das medidas que o Banco Central e Ministério da Fazendo tomaram, redução de impostos, incentivo ao crédito, e isso criou uma nova classe, a classe C, que é a nova classe média que tem padrões completamente diferentes da tradicional classe média extinta.

E você sente assim se refletindo na cultura brasileira, uma transformação?
Eu não vejo a arte participando, atuando nesse momento, não. Eu acho que musicalmente, teatro em geral, cinema, artes plásticas, e tal, em pouquíssimos casos, tá todo mundo plugado. Não existe, e que eu saiba nunca existiu, arte que surgisse do Governo Federal, do Ministério da Cultura; o Brasil não tem dinheiro pra isso. Então tudo que se faz de arte no Brasil, ou até mesmo de entretenimento, que são dois movimentos tão fortes de cultura, eu entendo que tudo isso no Brasil você não faz sem estar vivo, sem matança, sem correr atrás. Nos EUA é diferente. Por exemplo, o Kobe Bryant, um dos maiores jogadores da NBA não seria esse cara se não tivesse nota 10 em química, geografia, matemática, porque isso, o esporte, está vinculado a educação nos Estados Unidos. A arte também, de certa forma. Nessa ida agora aos EUA com minhas filhas, por exemplo, elas fizeram um Summer Camp por lá, elas ficaram chocadas com o fato de que todas, TODAS, as crianças tocavam piano. E elas têm sete anos. Elas voltaram perguntando: “Pai, todo mundo toca piano e eu não toco?!” E isso porque está inserido na educação. E no Brasil não existe isso, tudo é privado. No Brasil, futebol é da Lubrax, é da Parmalat. O teatro tem que ter patrocínio, vai precisar de “15 apoios”, “sete patrocinadores”, e na música também.

Mas tem coisa mudando, o Ministério da Cultura tem como proposta o ensinamento de musica no currículo obrigatório das escolas…
É uma proposta, mas não é uma proposta muito divulgada. Toda vez que um movimento artístico estiver vinculado à educação vai ser ótimo para o nosso país, onde não se tem oportunidade, é raro. Se o garoto tiver oportunidade de fazer um som numa escola, é valioso. Eu mesmo, quando fui garoto, queria tocar, mas na minha escola não tinha música. Davam aula de religião, mas não davam aula de música. E era uma escola particular!

Onde você estudava, Jorge?
Na ABEU, a Associação Brasileira Ensino Universitário, em Belford Roxo, uma rede de escolas particulares, e minha mãe conseguiu quatro bolsas pra gente. Sabe como ela conseguiu? Trocou o voto dela pelas bolsas! Não tinha outro jeito: dura, analfabeta, querendo botar os filhos na escola, o cara ofereceu pelos votos e ela deu, claro. Hoje eu posso dizer que foi uma boa troca, mas na época não foi. Pra começar, nós éramos os únicos negros na escola e a gente não tinha condição de estudar, não tinha caderno, não tinha uniforme, não tinha nem dinheiro pra tirar foto pra botar na caderneta, entendeu? Então era muito ruim, as crianças implicavam, mexiam com a gente. Naquela época não tinha muito essa coisa de tolerância para essa coisa de ser negros, não tinha lei que nos defendia…

Quantos anos você tinha? Você tem muita memória dessa época?
Quando entrei nessa escola eu tinha uns 10 anos. Tenho muita memória. Foi uma época muito importante da minha vida, porque foi a primeira vez que me apaixonei, como quando a gente é criança e se apaixona não esquece. Foi com uma menina da sala de aula, e foi forte. E também tinha esse lado da minha situação, eu não tinha força física, eu não tinha uma alimentação adequada e não conseguia acompanhar a escola, porque o ensino era puxado, e eu sem me alimentar em casa passando essa dificuldade. E depois, a gente perdeu metade das bolsas, minha mãe trabalhou de faxineira na escola pra tentar pagar e não conseguiu, e eu e meus irmãos ficamos dois anos sem estudar, fui trabalhar de borracheiro. Hoje em dia, a minha filha tem sete anos, tem a infância dela e os amiguinhos e a escolinha dela, tendo dar todo o possível, mas na minha época eu vendia caixa de chiclete no sinal.

Ter vivido isso e saber dessa diferença faz com que você tenha vontade de se meter em política, em ONG, em alguma coisa que possa fazer uma mudança social?
Olha, eu vou dizer que me incomoda o quadro brasileiro de ausência de proposta.  Enfim, eu gostaria de me especializar numa área técnica pra poder contribuir com idéias, com propostas, com projetos. Eu me interesso muito pelo Brasil, e acho que é fundamental uma inovação política. Eu precisava ver sangue jovem, gente disponível, a juventude interessada nos lucros do Brasil. O Brasil parece um país que a vida toda deu prejuízo e agora para ser a primeira vez que pode vir a dar lucro. Existe uma expectativa de muitos anos do Brasil

Então a gente pode esperar o Seu Jorge mais ativo nessa área?
Eu mais velhinho, mais cascudinho, vou ficar enchendo o saco. O que não dá pra aturar, cara, é a candidatura do Tiririca (palhaço que foi o deputado federal mais votado do Brasil), do Romário (ex-jogador), da Mulher Melancia (pin up), sacou? Isso não presta. Aí da vontade, de chegar lá e falar assim, ‘vou meter o peito!’, é lógico! E se eu me candidatasse, eu ganhava! Sinceramente… Mas eu não quero ter o meu voto vetado. Eu quero que meu voto valha, não adianta eu chegar lá e ficarem me pagando um salário, eu arrumando problema com todo mundo e vivendo uma podridão que nunca vi antes. Mas eu tenho mesmo vontade de incomodar, de encher o saco, de acordar a galera e aquilo tudo. Mas eu quero dizer que se um dia eu me misturar com isso, eu vou perder minha ingenuidade. Eu consigo ser romântico com a história do Brasil. Como músico eu tenho um romantismo de ver o Brasil preservado. Como político, eu não sei se eu vou conseguir isso. Eu não sei se eu vou conseguir que a ideologia seja preservada. No caso do Gilberto Gil foi diferente, ele já tinha experiência com política.

Essa boa fase do Brasil também está refletindo no circuito musical, está todo mundo tocando no Brasil!
Agora, Brasil é território obrigatório. O mundo tá capitalizando aqui, querido. E onde eu te falo que o privado é o ativo principal desta nova fase, por conta deste mercado interno de consumo. O consumidor de música não é simplesmente um consumidor que consome boné, camiseta, DVD e CD, ele vai no papel-higiênico, no modess, no esmalte, no shampoo, ele consome tudo. E tá todo mundo de olho nisso, tá todo mundo querendo um pedaço do Brasil. E se é o Jay-Z, se é a Beyonce, se é a Lady Gaga ou se é o Seu Jorge não importa, se é a Ivete Sangalo, não importa quem. E o Brasil é o fundamento disso, a grana corre solta. Tem uma mobilização, as pessoas são carentes disso, são carentes de música, são carentes do herói, né? Herói. ‘Caralho, quero ver a Lady Gaga, aquela mulher boa, aquela que sangra, se rasga toda, quero ver isso’ que a gente tem. O gringo não, tem um show da Lady Gaga hoje e eles dizem: ‘ah, não vou não, vou comprar uma garrafa de suco e vou ler o meu livro e tá lindo’; ele fica lendo um livro, pra ele mesmo numa sexta-feira, ele não tem essa necessidade carnal, essa dependência química que é na sexta, no sábado sair porque se ganha pouco nesta porra deste país, não se tem direito a ter nada, você não tem direito a comprar nada, você não tem acesso ao consumo, então o que sobra é o entretenimento, espairecer, tomar uma cerveja, dar beijo na boca, e a música é o ativo principal desta manifestação.

E você vai largar tudo isso pra ir morar em Los Angeles mesmo?
É, a família toda, né? A gente quer passar um período lá… É mais pelos filhos mesmo, os meninos amaram o tempo lá, e a educação é diferenciada mesmo. E se eu não fizer isso agora que a mais velha tem sete, vou fazer isso quando? Daqui a dez anos, quando ela tiver 17? Aí eles não vão querer. Eu tenho essa oportunidade agora, oportunidade de trabalho, muita gente me acessando também, essas duas semanas que fiquei lá eu trabalhei bastante, fiz dois videoclipes, gravei com o Beck, estou fazendo um disco novo com o Mario Caldato Jr.

E o cinema, como anda?
Pô, fazer o Tropa de Elite 2 foi incrível! Gravamos durante os quatro dias de carnaval, os melhores quatro dias de carnaval da minha vida! Nada de bagunça, a gente passou o tempo todo no set rodando os quatro dias. Fiz uma comédia com o Selton Mello, o Rodrigo Santoro e o Otavio Miller chamada Gays e Ratos. Direção de Mauro Lima que fez Meu nome não e Johnny. É uma comédia em preto e branco, de época, engraçada para caramba. Tô em um projeto com o Vicent Cassel também, tem coisa rolando.

E conta como foi tocar com a Ivete Sangalo no Madison Square Garden?
Foi demais, quase 16 mil pessoas no templo do basquete e do rock mundial. Ver a Ivete Sangalo colocar 16 mil pessoas ali dentro e a arquibancada tremer literalmente, que eu pude sentir do camarim, foi demais. A Ivete fez um serviço pra musica brasileira que eu acho que ninguém conseguiu fazer até hoje, porque é música do povo, música da massa. E ela teve uma postura muito bem feita na produção. Ela gravou o DVD com a equipe técnica toda americana, de alto padrão. Ela estava na maior felicidade. Naquela semana viajaram 2.500 pessoas do Brasil só para ver o show dela. A imprensa americana se perguntava: Quem é essa mina? O Brasil ta com essa bola? Tanta gente vir pra cá só para ver o show, com passagem, dinheiro no bolso, hotel para ficar, tudo certo, visto certo… É um choque, imprimir uma soberania. Foi muito importante nesse processo.

É interessante que isso pode ser muito simbólico nesta nova fase do Brasil, né, Jorge?
Completamente! O Acordo que ela fez com a TAM (companhia aérea que patrocinou o evento) justamente fez com que os expatriados que morem em Houston, na puta que o pariu, em Austin, em São Francisco pudessem viajar pela Star Aliance com preço legal, então tava lotado.

Movimentou a economia…
Exatamente, estamos falando disso, este é o grande momento do Brasil e como o povo responde a esse chamado. É a prova de que é a música do povo que manda mesmo, sacou? Acho que se fosse na China ninguém ia ver essa mina lá.

E de certa maneira, o Almaz não te leva no braço do povo brasileiro, com certeza é uma coisa bem diferente, um trabalho conceitual e tal, e eu vejo que você tem tesão por essa coisa do povo e representar. Você pensa que seu próximo trabalho vai ser mais focado nisso?
Você tem que ouvir a ‘Doida’, já tá pronta.

Doida?
Ah vou mandar pra tu, perai!

[Jorge envia um MP3 pelo Skype, depois de apenas um minuto e pouco de audição, dá pra ver que o Jorge de Carolina está ali]

Sabia que você tinha alguma coisa na manga.
Você vai ver, vai curtir, esse é o lado popular. Eu não posso renegar isso, cara! Eu sou isso, eu sou negróide, suburbano, da favela e preto, do Rio de Janeiro. Como vou renegar isso? Não dá.

By Juliano Zappia

2 Comments

  1. Kueynislan

    Parabéns pela matéria, ficou sensacional.
    abs

Leave a Reply